Que tal falarmos do Dízimo

Que tal falarmos do Dízimo?

Este é um assunto muitas vezes delicado entre os católicos. Infelizmente, entre nós, não há a cultura do dízimo. Somos capazes de gastar uma grande soma de dinheiro em um restaurante fastfood ou em um shopping, mas na hora do ofertório, deixamos cair na cestinha nossas notas velhas de dois reais ou algumas moedinhas que sobram no fundo dos nossos bolsos, achando que contribuímos demais. No entanto, esperamos sempre encontrar a igreja limpa, iluminada e em ordem.

Dízimo não é obrigação nem imposto. Nem tampouco uma troca de favores ou pagamento por algum lugar no céu. Dízimo é o reconhecimento de que somos parte de algo maior e que somos muito abençoados.

A contribuição do Dízimo é uma fonte inesgotável de lições de desapego. É o entendimento claro de que tudo é do Pai, e que Ele pedagogicamente nos "empresta" para que aprendamos a ser livres no mundo (Lc 15,31).

As pessoas que nos antecederam na comunidade paroquial contribuiram para que hoje tenhamos o que está ao nosso alcance, para nosso usufruto. Agora é a nossa vez de deixarmos nossa marca em nossa querida Catedral de São João Batista, onde vivemos nossa caminhada de fé e onde recebemos tantas bênçãos. Devemos fazer isso para o nosso bem e também para as gerações futuras.

Como contribuir:

Passe na secretaria paroquial e inscreva-se como dizimista. Você receberá um carnê contendo pequenos envelopes (doze no total, um para cada mês do ano). Deposite nestes envelopes o seu dízimo e entregue-o na mesma secretaria ou deposite-os em uma das várias urnas que se encontram no interior da Igreja.

Importante: nós não temos cobradores domiciliares!

Palavra Bíblica Motivacional:

"Pagai integralmente os dízimos ao tesouro do templo, para que haja alimento em minha casa. Fazei a experiência - diz o Senhor dos exércitos - e vereis se não vos abro os reservatórios do céu e se não derramo a minha bênção sobre vós muito além do necessário." (Malaquias 3,10)


Imprimir   Email

Artigos relacionados